Nayara Patricia S. Soares – Discente do curso de Medicina Veterinária
Nicoli Viviane C. Almodovar – Discente do curso de Medicina Veterinária
Henry Wajnsztein – Orientador e docente do curso de Medicina Veterinária
Ana Carolina R. Porto – Orientadora e docente do curso de Medicina Veterinária

suplementação equina

INTRODUÇÃO

O consumo de proteína e energia são os fatores nutricionais que mais influenciam o crescimento de potros jovens, portanto, a ingestão de níveis adequados dessas frações nutricionais proporciona ao animal uma taxa de crescimento que lhe possibilita exteriorizar todo seu potencial genético. O crescimento do potro começa durante a fase fetal e a partir do 8º mês de gestação o feto se desenvolve rapidamente e após o parto continua seu desenvolvimento até que o animal atinja o seu peso adulto. É sabido que até 12 meses o potro atinge 90% de sua altura de um animal adulto. Os parâmetros morfométricos de peso, altura da cernelha e comprimento com corpo são importantes para a avaliação do desenvolvimento do potro. O suplemento Crescer® é desenvolvido para auxiliar o crescimento de potros, mantendo o equilíbrio corpóreo esquelético e muscular. Indicado para todos os equídeos em desenvolvimento e principalmente para aqueles com atraso ou déficit do crescimento. Este suplemento foi desenvolvido com o objetivo de auxiliar o crescimento de potros, esse produto é composto por aminoácidos essenciais para eqüinos, além de prebióticos e probióticos. Esses aminoácidos ajudam a diminuir a destruição de proteínas intracelulares para uso em energia, além disso, o produto apresenta como benefícios, auxiliar no desenvolvimento corpóreo de potros, auxiliar no ganho de massa muscular, complementar dietas com baixa ingestão protéica e auxiliar na recuperação física de animais em treinamento. Os prébióticos são compostos que atuam beneficamente sobre a modulação da microbiota nativa, sobre o sistema imune e sobre a mucosa intestinal, melhorando os processos de digestão e absorção dos nutrientes. Já os probióticos têm como finalidade promover a saúde do animal, pois age no trato gastrointestinal, respiratório, urogenital e também como promotor de crescimento.

 

OBJETIVOS

O objetivo do experimento foi de avaliar a segurança do suplemento Crescer® em diferentes doses em potros, bem como avaliar sua eficácia. E como objetivo especifico foi o de avaliar se há alterações no aspecto morfológico, através da altura da cernelha e do peso do animal e avaliar função hepática e renal de todos os animais.

 

MATERIAIS E METODOS

Foram utilizados 9 potros da raça Puro Sangue Inglês (PSI) sendo 5 do sexo masculino e 4 do sexo feminino, idade entre um e dois anos, provenientes do Haras Capricórnio e Haras Já Se Vieram, ambos localizados na cidade de Sorocaba- SP. Os animais foram mantidos em pasto de coast cross e receberam ração balanceada 2 vezes ao dia e água ad libitum. Foram formados três grupos de acordo com a concentração do suplemento Crescer® que foi misturado à ração diariamente, de manhã, por um período de 60 dias. O primeiro grupo (G1) composto por três animais, sendo dois machos e uma fêmea, não receberam o suplemento, o segundo grupo (G2) composto por 3 fêmeas da raça PSI recebeu a dose recomendada de 90 gramas e o terceiro grupo (G3) composto por 3 machos da raça PSI recebeu a dose máxima de 150 gramas.
Para mensurar os efeitos do suplemento no ganho de peso e altura foram realizadas avaliações morfológicas em todos os animais desde o inicio da suplementação até o final em intervalos de 15 dias. Para avaliar a segurança do produto foram analisados perfil renal e hepático por um período de 60 dias desde o início da suplementação com intervalos de 7 dias, de acordo com a Tabela 1.

 


Tabela 1: Delineamento experimental do estudo.

 

A medida da altura dos animais foi realizada em local plano com auxílio de hipômetro de alumínio (Instep®) posicionado na altura da cernelha até o solo. O peso foi avaliado através de uma fita de pesagem na altura da cernelha. Todas as análises foram realizadas pelo mesmo pesquisador. Para coleta de sangue foi realizada punção de veia jugular, com o equipamento do tipo vacutainer em tubos sem anticoagulante. Os exames bioquímicos foram realizados em máquina semiautomática da marca Brasmed® (Biovetsmart) as quais foram avaliadas as enzimas ureia, creatinina, aspartato aminotransferase (AST), fosfatase alcalina (FA), Gama GT (GGT).

 

RESULTADOS E DISCUÇÃO

A suplementação com o Crescer® misturado com a ração teve boa aceitação pelos animais. Observou-se que a suplementação teve efeito no aumento de altura e ganho de peso, visto que os animais do G1 mantiveram a média de altura, enquanto os animais do G2 cresceram em média 2 cm e os animais do G3 cresceram em média 3 cm, após 60 dias de suplementação (Figura 1), demonstrando que apesar de ambas as doses mostrarem efeitos positivos no crescimento, os animais do G3 apresentaram desenvolvimento superior aos animais do G2, confirmando o potencial da suplementação como promotor de crescimento.

 


Fig. 1 Representação gráfica da média das alturas dos animais dos diferentes grupos nos 5 momentos experimentais.

 

Com relação ao peso, apesar dos animais do G1 apresentarem uma média de peso maior durante todo o período experimental, essa média se manteve. Já os animais dos grupos suplementados apresentaram aumento de em média 351 nos animais do G2 e 348 nos animais do G3, ao final dos experimentos (Figura 2). Com isso concluímos que os animais do G2 e G3 obtiveram ganho de peso superior quando comparado ao G1, sugerindo que a composição do suplemento com probiótico auxiliou na melhor conversão alimentar, na qualidade da flora intestinal, levando os animais a um melhor aproveitamento dos nutrientes ingeridos na alimentação, tal fato é explicado pois sabe-se que o mananoligossacarideos (MOS) tem como função melhorar e proteger a mucosa, incrementando a digestibilidade e o teor de energia metabolizável das rações, pois propicia o desenvolvimento da flora intestinal. Além disso, a lisina é um aminoácido importante para o ganho de peso diário do potro, pois faz com que aumente o apetite.

 


Fig. 2 Representação gráfica da média de peso dos animais diferentes grupos em 5 momentos experimentais.

 

Com relação às analises bioquímicas observou-se que nos três grupos experimentais, todas as enzimas hepáticas e renais testadas se mantiveram dentro do valor de referência estipulado para a espécie, isso sugere não houve efeito tóxico pelo suplementado testado. Não foram encontrados outros estudos para a comparação.

 


Tabela 3: Comparação entre os valores de média obtido no diferentes grupos e momentos experimentais.

 

CONCLUSÃO

A suplementação com o CRESCER® apresentou boa aceitação pelos animais. Observou-se que os animais do grupo teste responderam de forma positiva à suplementação, comparado aos animais do grupo controle. Concluímos que não houve toxicidade e isso foi evidenciado pelos resultados de enzimas hepáticas e renais dentro dos valores de referência estipulados para a espécie, garantindo a segurança do produto. Também constatamos que os animais do
grupo testado obtiveram um maior ganho de peso e altura comparado aos animais do grupo controle, e ainda que os animais que foram suplementados com G3 tiveram um aumento de em média 1 cm a mais que os animais do G2. Com relação ao peso os animais do G2 e G3 foram superiores ao do G1. Sugere-se então, que apesar do numero pequeno de animais, que o produto testado foi eficiente em incrementar o peso e altura dos animais sem apresentar toxicidade. Novos experimentos estão sendo realizados com um numero maior de animais da mesma raça e idade.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ALBINO, L. F. T. et al. Uso de próbioticos a base de mananoligossacarídeos em ração para frango de corte. Revista Brasil Zootecnia, v. 35, p. 742-749, 2006.
CABRAL, G., et al. Avaliação morfométrica de equinos da raça Mangalarga Marchador: medidas lineares. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 33, n. 4, p. 989-1000, 2004.
COTTA, J.B., MURI, M.P., BONGIOVANI, R., 1998. Efeitos da complementação de lisina e de vitaminas hidrossolúveis no crescimento de potros mangalarga marchador. ’’O cavalo marchador’’, n 15, p.1-8, 1988.
FIGUEIREDO, W. Lisina para potros da raça mangalarga marchador. 2002. p 626-632. Parte da dissertação para obtenção do título de mestre em zootecnia – Universidade Federal de Lavras. São Sebastião do Paraíso, Minas Gerais. 2002.
FULLER, R. Probiotics in man and animals. Journal of Applied Bacteriology, v. 66, n. 5, p. 365-378, 1989.
GARCIA, F PS et al. Determinação do crescimento e desenvolvimento de potros puro sangue inglês em Bagé-RS Grow thand development rates in thorough bred foals in Bagé-Brazil, 2011.